segunda-feira, 18 de junho de 2012

PALAVRAS À LIRA DE ANTONIO COSTTA




 
PALAVRAS À LIRA DE ANTONIO
(Texto de apresentação do livro “Lira dos Quarenta Anos”)

Pilar, terra de José Lins do Rego, romancista que ao lado de José Américo de Almeida e Augusto dos Anjos completa a conhecida trilogia sagrada da literatura paraibana. Inscritos na literatura nacional, Augusto, singular poeta brasileiro, José Américo abridor da literatura regional e José Lins festejado continuador do regionalismo. Portanto, se é privilégio pisar neste solo histórico, é ousadia e glória falar ante um chão tão nobre. Fui, entretanto, convidado. Devo fazê-lo.
Na fé católica, a imagem do Cristo (Deus-homem) foi registrada no misterioso véu que colheu o suor do seu rosto e acolheu a sua vida: o Santo Sudário. Assim, imitando Jesus, percorremos um caminho secretando suores que são recolhidos nos mantos das nossas vidas. Nelas, onde transitam circunstantes. Familiares, amigos e estranhos. Enfim, todas as criaturas que conosco coabitam espaço de lídimo enredo.
Dez, vinte, trinta, quarenta anos de caminhada, apresenta-nos hoje o poeta Antonio Costta. E nesta lida inscreve a sua poesia no seu sudário. Antonio pertence ao gênero daqueles que vaticinam caminhos, os poetas. Aqueles que se comovem e, comovidos, exaltam a sua comoção. O texto que ora tenho a honra de louvar registra as suas experiências. As que acometeram o seu espírito de poeta e pulsam em linguagem nuclear. Em expressão além do mero discurso linear, língua dos espíritos, poesia.
Nessa língua é que desejo homenagear Antonio, permitindo-me traduzir sentimentos. Acreditando que a sua alma, receptáculo de lembranças, sangrou em versos. E a saudade acolheu o líquido rubro. E reminiscências, uma após outra, como um bando de pássaros, rasgaram os céus de um tempo apaixonado e condoído. E pousaram em valhacouto, ao abrigo.
Assim, senhoras e senhores, eu busco sintetizar a “Lira dos quarenta anos” de Antonio Costta, companheiro no fórum poético internacional “Poesia Pura”. Fórum onde se encontram ainda, entre tantos outros, Odir Milanez, Fernando Cunha Lima e Damião Cavalcanti, diretor do espaço em língua portuguesa e que, a exemplo de Antonio, é filho ilustre desta terra.
Pilar pertence à pequenina Paraíba. Estado que se eleva em seus talentos. Sendo mãe de Augusto dos Anjos teve a poética acima dos movimentos literários vigentes, antecipando-se no início do século XX à poesia moderna. O autor do Eu, com um discurso real e inovador com força vocabular científica e coloquial, nasceu e habitou estas cercanias, e disse de sua natureza. Lembrando o corrupião, sofreu com o pássaro preto e vermelho que se faz preto e amarelo enjaulado na gaiola.
Se Augusto, poeta universal, inscreveu o pássaro sem liberdade, o escaveirado corrupião idiota, Antonio, vizinho de Augusto, vivenciando a mesma natureza, registrou o passarinho aprisionado que canta um choro de solidão.
A poesia, inefável, contém beleza infinita e será sempre eterna, imprescindível aos homens de todos os logos, de todos os tempos. Poesia esse ente estranho. Popular ou erudita, maior ou menor, imponderável. Por assim ser, é sempre louvada.
Mas, para que serve a poesia? Ferreira Gullar nos responde: “A poesia é uma colocação diante da realidade (...) porque a única coisa que a poesia faz é comover. A poesia não cura dor de dente, não resolve problema econômico, não desintegra o átomo (...) afinal, a realidade do mundo é insuportável. Por isso se faz poesia, se faz arte, se faz música”.
Com igual sentimento, aqui viemos apresentar este livro. Celebrar com todos vocês a poesia de Antonio Costta, repertório dos seus quarenta anos. Com ele o poeta quis nos emocionar. Por isso, repito, com declarada insuficiência busquei traduzir sentimentos, sangria da carne, comoção. A emoção do poeta que nos comove!

ASTENIO CESAR FERNANDES
(Da Academia Paraibana de Letras)

Reações:

0 comentários:

HINO OFICIAL DE PILAR- cantado por José Cosmo de Souza

HINO OFICIAL DE PILAR - cantado por Jordânia Borges