sábado, 19 de setembro de 2015

Poemas em defesa do Rio Paraíba


RIO PARAÍBA

Rio Paraíba
violentado,
sangrado,
saqueado.

Rio Paraíba
desmatado,
cercado
e esbarrado.

Rio Paraíba
invadido,
extraído,
poluído.

Rio Paraíba
controlado,
minguado,
privatizado.

Rio Paraíba,
que saudade
da liberdade...
da integridade!

Rio Paraíba,
berço da vida,
água bebida...
- que saudade!



ESSE RIO QUE EXISTE AGORA 

Esse rio que existe agora
tão diferente na lida,
será o mesmo d'outrora,
da nossa infância querida?

Esse rio que existe agora
d'água suja, poluída,
será o mesmo d'outrora
ou é outro rio sem vida?

Esse rio que existe agora
sem ter mais força no ventre,
será o mesmo d'outrora
ou corre morto somente?

Esse rio que existe agora,
sem árvores em suas margens,
será o mesmo d'outrora
ou será uma miragem?

Esse rio que era tão limpo,
d'água pura, cristalina,
não sacia mais a sede
desta terra nordestina!

Esse rio que era tão cheio
de tilápia e de pial,
por que está assim deserto?
Nos responda o homem mal!...




QUANTO VALE A AREIA DO RIO?

Quanto vale a areia do rio
que a natureza juntou?
anos e anos, a fio,
tesouro que ela guardou.

Quanto vale a areia do rio
onde o vento deita e rola?
Quanto vale a areia do campo
onde eu brincava de bola?

Quanto vale, queremos saber,
a areia do Rio Paraíba?
que estão, todo dia, a vender,
agredindo o leito, a vida!

Quanto vale a areia do rio?
Entregue em troca de nada?
Ou vendida a preço d'ouro,
tesouro da terra amada!

Por homens gananciosos
que fazem negociata.
Quanto vale a areia do rio,
do rio que se fere e mata?!



QUEM ESCUTA A VOZ DO RIO?

Quem escuta a voz do rio
Sussurrando atrás do morro?
Quem escuta a voz do rio
Nos clamando por socorro?

Quem escuta a voz do rio
E dele se compadece?
Pois o rio está clamando
por socorro, pois perece!

Quem escuta a voz do rio?
Quem escuta a sua voz?
Não ouves a voz do rio
Clamando por todos nós?...

Quem escuta a voz cansada
Das águas tão poluídas?
Quem escuta a voz do rio
Lutando para ter vida?...

Quem escuta a voz do rio?
Quem escuta a voz do leito?
Pois quem deixa a voz das águas
Adentrar para o seu peito?...


Atentai pro seu clamor,
Criança, jovem, adulto!
Não deixem o rio morrer...
A terra ficar de luto!




RIO PARAÍBA DO NORTE

Paraíba do Norte, oh rio Paraíba!
Quem te prendeu na barragem Acauã?
Cadê tuas águas? O teu grande afã?...
Quem foi que te fez franzino na vida?

Quem foi que arrancou tuas plantas das margens?
Quem foi que enfiou essa draga em teu peito?
Quem te carregou toda areia do leito,
Deixando-te assim, quase uma miragem?...

Rio Paraíba do Norte e da morte
Outrora tão cheio, tão bravo, tão forte!
Hoje tão frágil diante de mim...

Onde eu menino, banhei-me em tua água,
Pesquei camarão, piaba e tilápia...
Hoje tão seco... Será o teu fim?!...  


*******


LIBERDADE ENCARCERADA

 
Os dragões mecânicos
não param de cavar,
vão cavando noite e dia
na ribeira do Pilar,
vão deixando o Paraíba
num desarranjo sem par,
quase sem leito e sem vida
pro areeiro enricar!

Contra esta ação homicida
a justiça onde é que está?
Pra que valem tantas leis
se o dinheiro pode comprar
licenças e mais licenças,
o direito do Alvará
que encarcera a liberdade
do Paraíba passar!...

O Paraíba de outrora
que assombrava Pilar,
que causava tanto medo
ao menino Lins do Rego
aquele rio onde é que está?
Que invadia o Corredor,
que passava em São Miguel
causando tanto temor,
agora está dominado,
humilhado, maltratado,
quase morto, sim senhor!

Rio preso, encarcerado,
por ganância de dinheiro,
quando serás libertado
do poder dos areeiros?
Ribeirinhos, defendei,

trazei de volta ao Pilar
aquele rio caudaloso,
que seguia, majestoso,
livrimente para o mar!


******

O HOMEM NÃO É UM BICHO

O homem não é um bicho,
mas se torna um bicho-homem;
quando ele polui o rio
das águas que ele consome!

O homem não é um bicho,
mas perde todo renome;
quando ele polui as águas
dos peixes que a gente come!



O homem não é um bicho,
mas esse nome faz jus;
quando ele joga no rio
o lixo que ele produz!

O homem não é um bicho,
mas se torna um lobisomem;
quando agride a natureza,
não tem outro cognome!




O DONO DO RIO

O Dono do Rio
expulsou o gado,
as lavadeiras de roupas,
os plantadores de batatas,
os jogadores de bola
e dominou o rio,
prendeu suas águas,
deixou só um fio.

O Dono do Rio
montou um areieiro
e hoje vende a areia
por muito dinheiro.
É caçamba saindo,
é caçamba chegando,
e o Dono do Rio
muito mais enricando!

O dono do Rio
construiu mansão,
comprou fazendas,
comprou muito gado,
mas o rio — coitado!
Só foi afundando,
a cada dia sumindo,
a cada dia minguando!

O Dono do Rio
com seus dragões mecânicos,
com sua ganância infinda,
quando menos esperar
ele vai descobrir
que a areia acabou,
que tudo findou,
que a natureza vingou.

O Dono do Rio
um dia verá
que nada é para sempre,
que não é dono de nada!
Que a justiça da terra
pode até ser comprada,
mas a justiça divina
ela vem e não falha!

E-mail: antoniodacostta@gmail.com

***
Poemas recitados em defesa do Rio Paraíba:







Para fazer download do áudio destes poemas, em mp3, acesse: http://www.suamusica.com.br/ANTONIO_COSTTA/quem-escuta-a-voz-do-rio

Reações:

0 comentários:

HINO OFICIAL DE PILAR

Devemos valorizar nossos artistas enquanto estão vivos

Clique na imagem

MATRÍCULAS ABERTAS

MATRÍCULAS ABERTAS
NA SOFT WORLD INFORMÁTICA - EM ITABAIANA - FONE: (83) 9186-5519

MATRÍCULAS ABERTAS PARA OS NOVOS CURSOS DA SOFT (ASSISTA AO VÍDEO)