sábado, 13 de setembro de 2014

MINHA PILAR, PARABÉNS!


Minha joia, meu diamante, 
A terra que a todo instante
Recordo na minha vida;
Em ti projeto a lembrança
Do meu tempo de criança
Na Chã de Areia querida!

Minha terra tão pequena
Quem dera neste poema
O meu amor expressar;
Num verso puro e sereno,
No meu cantar tão pequeno,
Quero pra sempre te amar!

Quem dera viver contigo
Nas asas do teu abrigo
Sem temer qual seja a sorte;
Muito mais feliz seria
Perto de ti todo dia
Até chegar minha morte.

Que Deus te abençoe, minha terra,
Que reine a paz não a guerra
Neste pedaço de chão;
Que nunca, jamais te enganem,
Mas que teus filhos te amem
De todo seu coração!

Que a Paraíba não pare,
Que o governo declare
Fazer-te bem mais notória;
Sem nenhum demagogismo
Desenvolver o turismo,
Porque Pilar é história!

Por José Lins que é da gente,
Manoel Xudú no repente,
Zé Augusto na poesia;
Minha Pilar tão formosa,
Eu te ofereço esta rosa...
Meus parabéns neste dia!

Pela bravura do povo,
Pelo sonhar com um novo
Tempo, melhor do que tens;
Pra o velho, o jovem e a criança,
Por não perder a esperança,
Minha Pilar... Parabéns!!!

Antonio Costta

sexta-feira, 1 de agosto de 2014

1º Concurso de Poesia José Augusto de Brito


Abertas as inscrições para o 1º  Concurso de Poesia José Augusto de Brito.

Promoção: “Secretaria Municipal de Educação e Cultura de Pilar” 

Atenção você pilarense que gosta de escrever poesia, chegou a sua grande oportunidade de mostrar o seu talento e concorrer a um prêmio em dinheiro e de ainda ter a sua poesia publicada em um livro que terá o título: "Novos Poetas Pilarenses".
REGULAMENTO

I. GERAL

1) As inscrições estarão abertas de 01 a 30 de agosto de 2014, no prédio da Secretaria de Educação e Cultura de Pilar.

2) Cada autor poderá concorrer com até 02 (dois) poemas, inéditos, e em língua portuguesa.

a. A publicação em blogs de pessoais não invalida o ineditismo, porém a publicação em livros, jornais e ou antologias quaisquer, bem como a inscrição simultânea em outro concurso similar, invalidam a inscrição.

b. O poema deve ser curto, preenchendo o espaço de uma página.

3) O tema das poesias é livre.

4) Poderão participar do Concurso todas as pessoas nascidas em Pilar, ou em maternidade de outros municípios, mas que sejam filhos de pais pilarenses e que residam comprovadamente em Pilar.

5) Uma Comissão Julgadora, escolhida pela Secretaria Municipal de Educação e Cultura de Pilar selecionará os melhores trabalhos.

6) Os direitos autorais dos textos são de propriedade de seus autores.
a. Ao enviar sua inscrição para esse concurso, os autores concordam expressamente com a publicação das suas poesias no livro “Novos Poetas Pilarenses”, caso sejam selecionadas pela a Comissão Julgadora, a ser publicado, sem que qualquer ônus, desde que os créditos de autoria sejam devidamente registrados.

7) O envio da(s) poesia(s) ao concurso significa inteira e completa concordância, por parte dos concorrentes, com este Regulamento. Casos omissos serão resolvidos pela Comissão Organizadora. As decisões são irrecorríveis.

II. INSCRIÇÕES

1) Para confirmar sua inscrição, o autor deverá preencher o formulário disponível na Secretaria Municipal de Educação e Cultura de Pilar e entregar sua(s) poesia(s), digitadas ou escritas a mão, acompanhada de uma foto.

2) Informar, obrigatoriamente:
a. Nome completo
b. Data de nascimento
c. Local onde nasceu
e. Nome de seus pais
f. Pseudônimo (se houver)
d. Título(s) da(s) poesia(s)

III. PRÊMIOS

1) Haverá premiação em dinheiro para os primeiros melhores trabalhos, na categoria:
a. de 12 a 14 anos
b. de 15 a 17 anos
c. dos 18 anos em diante.

2) O valor da premiação ainda será definido pela Secretaria Municipal de Educação e Cultura de Pilar.

2) Todos os classificados receberão um livro contendo as poesias selecionadas, editado pela Secretaria Municipal de Educação e Cultura de Pilar, com o título “Novos Poetas Pilarenses”.

3) A entrega dos prêmios acontecerá no dia 14 de novembro de 2014, sexta-feira, às 20h.

4) No caso do não comparecimento de qualquer dos vencedores na noite da premiação, o prêmio respectivo deverá ser procurado dentro de 30 (trinta) dias, a partir da data da entrega, 14 de novembro de 2014. Findo este prazo o valor será devolvido ao patrocinador e o ganhador perderá o direito ao prêmio.

5) Os vencedores poderão declamar sua poesia ou, se desejarem, indicar outra pessoa para fazê-lo.


Antonio Costta
(coordenador do concurso)
Contatos: (83) 9186-5519
e-mail: poetaac@ig.com.br
https://www.facebook.com/antonio.costta

_______________________________________________________


O POETA JOSÉ AUGUSTO DE BRITO



O poeta José Augusto de Brito nasceu em Pilar (PB) em 01 de agosto de 1919 e morreu em 2010, na cidade de João Pessoa, com noventa e um anos de idade.   

José Augusto de Brito veio de uma família humilde, mas trabalhadora. Foi agricultor, professor, poeta, cronista, historiador, Coletor Fiscal, vereador e prefeito (por dois mandatos) da terra de José Lins do Rego. 


Publicou sete livros de crônicas e poesias, são eles: Vidas Paralelas; Canções do Entardecer; Sem Água, Sem Rio Sem Verde; Pilar; Memórias de um Aprendiz de Nada; Pilar é História e Pingolenço - Um Tributo à Arte. Tornou-se membro da Academia Paraibana de Poesia. Durante vários anos foi cronista do Jornal O Norte, onde conquistou fieis leitores que adoravam as suas crônicas sobre “causos” acontecidos no Vale do Paraíba.


Certa vez questionado sobre o que lhe motivava a publicar tantas crônicas na imprensa estadual, ele respondeu: “Tudo o que escrevo é para enaltecer a minha pequenina e gigante Pilar”.

Foi um grande estudioso da obra de José Lins do Rego, para a qual dedicou alguns ensaios literários, publicado em seus dois livros de crônicas: Pilar, e Pilar é História.


Os livros de “Zé Augusto”, como ele era chamado por populares, são de riquíssimo valor literário, e precisam ser reeditados e utilizados na rede municipal de ensino. É preciso que haja uma iniciativa, um projeto aprovado pela Câmara Municipal de Pilar e executado pelo poder executivo, para que a obra de nosso poeta seja estudada em sala de aula, pelos alunos de sua terra natal.


“Zé Augusto” é digno também de outra homenagem expressiva: de um busto em uma praça. Pois todas as homenagens são poucas para quem tanto amou e cantou a sua terra natal, nos quatro cantos do Estado, como o seu maior tesouro.

Antonio Costta
___________________________________________

Um soneto de José Augusto de Brito:

ALMA PILARENSE

Naquele sábado de poesia,
O violão desfila em serenata,
Com Zé de Heleno até o fim do dia,
Nos dedos e na voz uma cascata.

É o Pilar palpitando em melodia,
É o coração de Diu que desata,
É a família reunida na alegria,
Relembrando a distância que maltrata.

É a comunhão de todo o pilarense
No grande altar do amor e da saudade,
Extravasada na voz e no violão.

É a força do Pilar que ninguém vence,
É o entrelaçamento da amizade
A cantar na tua alma, meu irmão.

terça-feira, 29 de julho de 2014

VISITANDO O MARAVILHOSO MUNDO DE JOSÉ LINS DO REGO



Tivemos a honra de receber na manhã de sexta-feira, 25 de julho de 2014, um grupo de alunos do 3º ano da EEEM Integrado Beatriz Loureiro Lopes, da cidade de Piancó, localizada no alto sertão da Paraíba, acompanhado de duas professoras, que visitaram o município de Pilar com a finalidade de conhecer o maravilhoso mundo do menino de engenho: o romancista, cronista e ensaísta, membro da Academia Brasileira de Letras, José Lins do Rego.





  


 

Foi um prazer recepcioná-los, juntamente com minha filha Letícia Pillar, na Fundação Menino de Engenho de onde partimos para o Engenho Corredor, onde Zé Lins nasceu.




Ao chegarmos no engenho contemplamos um cenário diferente de outrora, onde só havia ruínas, matos e marimbondos, lá estava, imponente, a Casa Grande totalmente restaurada! Mobiliada com móveis da época, tudo bem conservado, fazendo gosto de ver. Sem dúvidas aquele cenário nos fez sentir uma emoção diferente, como se estivéssemos adentrando às cenas narradas nos romances do Ciclo da Cana de Açúcar, imortalizados pelo ilustre filho da terra que soube como ninguém contar as histórias de seu povo, consagrando-se na literatura brasileira como um dos maiores romancistas regionalista de todos os tempos! 









Depois voltamos para o centro da cidade, onde visitamos a antiga Casa de Câmara e Cadeia, onde Dom Pedro Segundo, no ano de 1859, hospedou-se e concedeu beija mão a sociedade da região e hoje abriga a Fundação Menino de Engenho e a Biblioteca 03 de Junho, em homenagem a data em que o escritor nasceu.








Por último fomos visitar a belíssima Praça José Lins do Rego, onde tem um lindo busto do nosso romancista.





Certamente foi um dia de deslumbramento que ficará marcado para sempre em nossos corações.



 Meus sinceros agradecimentos aos proprietários do Engenho Corredor, Joaquim Soares e sua esposa Alba, pela extraordinária oportunidade que nos concederam de podermos visitar a casa grande onde Zé Lins nasceu e todo o complexo, ainda em fase de restauração, do Engenho Corredor.

Antonio Costta
(83) 9186-5519
E-mail: poetaac@ig.com.br
https://www.facebook.com/antonio.costta

terça-feira, 22 de julho de 2014

Vem aí o 1º Concurso Municipal de Poesia de Pilar






 Com o propósito de motivar a leitura e a produção literária na terra de José Lins do Rego, é que tivemos a ideia de realizar o 1º Concurso Municipal de Poesia de Pilar, com o total apoio da Secretaria Municipal de Educação e Cultura do município.

Pilar é uma terra rica, histórica e culturalmente falando. Ela é a terceira cidade mais antiga do Estado da Paraíba, e berço de grandes poetas e escritores, a exemplo do fabuloso José Lins do Rego, autor de clássicos consagrados da literatura brasileira, como Menino de Engenho e Fogo Morto. Pilar também foi berço de outros poetas renomados como José Augusto de Brito, Manuel Xudu (poeta cantador), Damião Ramos Cavalcanti (presidente da Academia Paraibana de Letras), deste humilde juntador de palavras que escreve estas linhas, e de tantos outros poetas que só precisam de uma oportunidade para mostrar sua criatividade. Tenho certeza que esse Concurso Municipal de Poesia será surpreendente, revelador de novos talentos que muito hão de dignificar a nossa querida e bela Pilar.


O Concurso está previsto para o próximo mês de agosto e o lançamento do livro, com os melhores poemas dos alunos participantes, em outubro na Semana Cultural.



sexta-feira, 4 de julho de 2014

PILAR NO ROTEIRO DA LITERATURA

A terra do menino de engenho, o romancista, cronista e ensaísta José Lins do Rego, imortal da Academia Brasileira de Letras, prepara-se para realizar a FLIPI - 1ª feira Literária de Pilar, através da Secretaria Municipal de Educação e Cultura. O evento, que será coordenado pelo poeta Antonio Costta, está previsto para o mês de outubro deste ano e em breve será divulgada toda a programação através do blog: http://flipipilar.blogspot.com.br/

A FLIPI homenageará em sua 1ª edição o escritor e poeta Damião Ramos Cavalcanti, presidente da Academia Paraibana de Letras e da Fundação Casa de José Américo. Damião nasceu em Pilar e tem desenvolvido um brilhante trabalho em defesa da cultura paraibana, o que é motivo de orgulho para os pilarenses.
(Poeta Damião Ramos Cavalcanti)
RESUMO BIOGRÁFICO

Damião Ramos Cavalcanti, nascido na cidade de Pilar - PB, terra do escritor e romancista José Lins do Rego. Passou parte da sua infância em Itabaiana, quando, com seus 11 anos, foi estudar na cidade de João Pessoa, onde reside até hoje. Em 1966, viajou à Itália, onde, em Roma, realizou seus estudos de graduação e pós-graduação em Filosofia; em Paris, posgraduou-se em Sociologia da Educação pela Sorbonne, de 1978 a 1983. Professor da Universidade Federal da Paraíba, desde 1973, onde prestou uma larga folha de serviço como docente e dirigente. Participou da criação da UEPB em Guarabira, da UNIPÊ e da FESP em João Pessoa. Hoje, dedica-se a escrever seus livros, como membro da Ordem dos Advogados do Brasil - OAB; da Academia Paraibana de Cinema - APC; da Associação Paraibana de Imprensa - API e da Academia Paraibana de Filosofia - APF. É advogado, escritor, poeta, cronista e Presidente da Academia Paraibana de Letras - APL e da Fundação Casa de José Américo.

quinta-feira, 19 de junho de 2014

O POETA ANTONIO COSTTA - POR VLADIMIR CARVALHO

(Vladimir Carvalho)
A chave para entrar no mundo de simplicidade e pureza da poesia de Antonio Costta está contida no texto em prosa delicada e direta que ele próprio escreveu abrindo o seu primeiro livro: Um Juntador de Palavras (2003).

Ali ele já demonstra a sua sensibilidade para os rústicos encantos do reino de sua infância, nascido que foi no seio de uma família de humildes, mas honrados agricultores. Os apelos da terra, da natureza, e os mistérios da existência foram desde sempre motivo de encantamento para o menino e de recordação para o poeta. E tudo parece ter começado a partir do momento em que lhe narraram as circunstâncias em que ocorreu a sua chegada nesse mundo de meu Deus.

Ainda não vira a luz do dia, e a sua mãe padecia das piores dores de um parto difícil quando sua avó paterna dá entrada no recinto do quarto e propõe - a queima roupa e em versos concisos - a troca do nome da criança de Fernando, como estava estabelecido, para Antonio que era o do santo do dia:

“Menino que demora a nascer
só uma esperança lhe resta
por o nome dele Antonio
que ele nasce de pressa!”.

A mãe no auge das dores acolhe imediatamente a simpatia e mesmo arquejando responde também em versos, manifestando a sua aceitação:
 
“Se é pro menino nascer
e esse sofrimento acabar
então a partir de agora
Antonio vai se chamar!”

E o milagre se consumou: o menino saltou para a vida no maior berreiro, mas são e salvo para alegria de todos. Foi assim que Antonio veio ao mundo sob o signo da poesia e poeta haveria de ser.

E Antonio cresceu e se entendeu de gente em comunhão profunda com a paisagem a seu redor, em meio às gentes do povo, na dura faina da roça, na escola da velha palmatória, nas festas religiosas, nas procissões e nas cheias do rio Paraíba do Norte que banha a sua Pilar natal – vivendo o mesmo mundo que marcou a vida e a obra do grande José Lins do Rego, seu conterrâneo.

Foi esse repositório de sensações e lembranças que tem virado matéria prima para a produção lírica de Antonio Costta, agora acrescida da temática de fundo religioso, depois de sua conversão ao evangelho, como atestam os poemas de Poesia Cristã. Em Itabaiana, no convívio estimulante com o mestre Jessier Quirino, Teresa Queiroga, Fábio Mozart e Ricardo Aguiar, entre outros, ele segue se exercitando no aprendizado literário, sabendo como é dura a lida no trato com as palavras, porque como disse Carlos Drummnond de Andrade, “Lutar com as palavras / é a luta mais vã/ entretanto lutamos/ mal rompe a manhã”.

Esse é o seu desígnio, seu mister e galardão.
VLADIMIR CARVALHO
(Cineasta e Documentarista)
(Orlando Otávio, Vladimir Carvalho e Antonio Costta) 

ALGUNS VÍDEOS COM POEMAS DE ANTONIO COSTTA






terça-feira, 3 de junho de 2014

LIVROS DO POETA ANTONIO COSTTA PARA DOWNLOAD



 
DEZ ANOS DE POESIA

Comemorando dez anos do lançamento de seu primeiro livro "Um Juntador de Palavras" (Editora Sal da Terra - 1994), o poeta Antonio Costta resolveu disponibilizar sua produção poética em forma de e-books (livros eletrônicos em pdf) para quem desejar fazer download para ler em seu computador. Os e-books estão publicados no site do Recanto da Letras e poderão ser acessados através deste link: http://www.recantodasletras.com.br/autor_textos.php?id=14685&categoria=M&lista=lidos

Antonio Costta é conhecido como o “Juntador de Palavras” e também como “Poeta da Fé”. Ele nasceu em 24 de abril de 1972 no município de Pilar-PB, terra do escritor José Lins do Rego. É filho do agricultor Severino Honorato da Silva e da dona de casa Maria José da Costa Silva, residentes no Sítio Chã de Areia, onde o ele passou toda sua infância e parte da juventude.

Atualmente o poeta tem participado de vários fóruns literários, através da internet, interagindo com escritores de várias nacionalidades, conquistando admiradores de sua poesia no Brasil e no exterior, a exemplo do poeta e escritor espanhol Cristino Vidal Benavente, que tem escrito para vários de seus livros.


Antonio Costta é o autor da letra do Hino Oficial de Pilar e de cinco livros de poesias: Um Juntador de Palavras (2004); Poesia Nordestina (2004); Coletânea Poética (2009) Chuva de Poesias (2011) e Lira dos Quarenta Anos (2012). Atualmente está preparando uma antologia poética,
intitulada "O Poder do Amor", em parceria com quatros poetas estrangeiros: Maria Petronilho (Portugal), Alma Velazquez de la Mora (México), Cristino Vidal Benavente (Espanha) e Teresa Ovejero de Vinciguerra (Argentina). Costta também está preparando outro livro de crônicas e poesias sobre a sua terra natal, intitulado "Pilar em Prosa e Verso".

ALGUNS VÍDEOS COM POEMAS DE ANTONIO COSTTA 












segunda-feira, 2 de junho de 2014

Semana Cultural José Lins do Rego em Pilar e Itabaiana

   

Um dos eventos mais importantes promovidos pela Fundação Espaço Cultural da Paraíba (Funesc), a Semana Cultural José Lins do Rego, ganha novo formato em sua 32ª edição. Neste ano, as atividades do evento educativo serão realizadas na cidade Pilar (terra natal do escritor paraibano autor de obras como “Menino de Engenho”) e também em Itabaiana. De 8 a 11 de junho, serão oferecidas nesses dois municípios oficinas de diversos segmentos artísticos, performances e espetáculos de teatro, dança, música, artes visuais e literatura. Neste ano, as atividades saem da capital paraibana e vão ocorrer de maneira descentralizada, com o intuito de ocupar vários espaços desses municípios, como praças, escolas e outros locais que se tornarão palco para o evento. A programação começa no domingo (8) com oficinas apenas na cidade Itabaiana. Nos dias seguintes, 9, 10 e 11, as atividades são realizadas nos dois municípios.

clique: veja álbum de fotos do Engenho Corredor

O presidente da Funesc, Lau Siqueira, justifica a escolha das duas cidades. “A Décima Segunda Região do Orçamento Democrático, com sede em Itabaiana, apontou a cultura entre as suas três prioridades para este ano. Por esta razão, estamos atendendo à reivindicação do OD e da Articulação Regional da Secult e desenvolvendo algumas ações que atendam essa demanda. A Semana Zé Lins é uma dessas ações. Aproveitamos o fato de José Lins do Rego ter nascido em Pilar, um dos municípios da região, e ter estudado em Itabaiana, outro município da Região. Zé Lins estudou numa escola, cujo prédio hoje abriga uma das maiores referências de resistência cultural da Paraíba, o Ponto de Cultura Cantiga de Ninar. Da mesma forma, seguimos no nosso propósito de descentralizar as ações, dialogando permanentemente com o interior do Estado. Algo que deveremos intensificar quando tivermos novamente o Espaço Cultural como lugar privilegiado para esse diálogo”. A programação conta com sete oficinas: dança, circo, grafite, mídias móveis, teatro, criação artística, e oficina de aquarela com café. A agenda de apresentações e performances ficará por conta de grupos e artistas paraibanos de diferentes estilos e segmentos artísticos, como cortejos de cultura popular, recital de poesia, espetáculos infantis e shows. Em Pilar, o público também poderá conferir a exibição de filmes de curta-metragem. Outro destaque da Semana Cultural é o lançamento do edital do 3º Salão Nacional de Humor José Lins do Rego, que ocorre no dia 10 de junho, em Pilar. Diferentemente das edições passadas, neste ano os candidatos poderão inscrever trabalhos artísticos nas categorias cartum, charge, tira, HQ (uma página) e caricatura, nas linguagens: desenho, pintura e colagem, inspirados na vida ou obra de quaisquer autores de reconhecido talento no meio nacional. Vinte obras serão selecionadas para participar da exposição e três delas serão premiadas pelo concurso. 

http://sphotos-b.ak.fbcdn.net/hphotos-ak-ash4/250631_361307000590814_1220630393_n.jpg

quarta-feira, 7 de maio de 2014

Escritor pilarense Damião Cavalcanti toma posse na Fundação Casa de José Américo

Damião Cavalcanti toma posse na 
Fundação Casa de José Américo

 O presidente da Fundação Casa de José Américo, professor Damião Ramos Cavalcanti, reuniu os funcionários da Instituição para formalmente tomar posse e dar posse à secretária executiva, Rejane Mayer Ventura, na manhã desta terça-feira. Nomeado pelo governador Ricardo Coutinho, dia 4 de abril, porém ao longo deste período, Damião tem se empenhando na organização da Instituição, que passa por ampla reforma física, e que deverá ser re-inaugurada em breve. 
        Durante a reunião, que aconteceu no Auditório, o professor Damião destacou a filosofia e diretrizes de sua gestão. Ressaltou a importância do trabalho do servidor público e incentivou os funcionários para o engajamento da missão institucional, que é a preservação e o cultivo da memória do patrono, José Américo de Almeida, além da cultura paraibana. 
        A reunião foi prestigiada por todos os funcionários. Estão mantidos todos os ocupantes dos cargos de direção, que integraram a composição da mesa com o presidente e secretária executiva. 

Fátima Farias – Assessoria de Imprensa da FCJA

O presidente da Fundação Casa de José Américo, professor Damião Ramos Cavalcanti, reuniu os funcionários da Instituição para formalmente tomar posse e dar posse à secretária executiva, Rejane Mayer Ventura, na manhã desta terça-feira. Nomeado pelo governador Ricardo Coutinho, dia 4 de abril, porém ao longo deste período, Damião tem se empenhando na organização da Instituição, que passa por ampla reforma física, e que deverá ser re-inaugurada em breve. 

Durante a reunião, que aconteceu no Auditório, o professor Damião destacou a filosofia e diretrizes de sua gestão. Ressaltou a importância do trabalho do servidor público e incentivou os funcionários para o engajamento da missão institucional, que é a preservação e o cultivo da memória do patrono, José Américo de Almeida, além da cultura paraibana. 


A reunião foi prestigiada por todos os funcionários. Estão mantidos todos os ocupantes dos cargos de direção, que integraram a composição da mesa com o presidente e secretária executiva. 

Fátima Farias – Assessoria de Imprensa da FCJA

sábado, 19 de abril de 2014

A PROPAGANDA É BONITA, MAS A REALIDADE...



A rodovia PB-048, trecho Pilar/Juripiranga – um total de 13 km de estrada ligando os estados da Paraíba e Pernambuco, está para ser inaugura pelo governo do Estado da Paraíba. Pena que a obra é de baixa qualidade. Nem inaugurou ainda e já está com vários buracos, precisando de restauração em vários trechos. E vergonhoso como as empreiteiras economizam em material para, por certo, sobrar dinheiro. Quantos anos de garantia tem um asfalto desse se nem inaugurado foi ainda e já está se deteriorando? Nos Estados Unidos é de 50 anos a garantia e aqui na Paraíba de quantos anos será?... Fica a indagação.

É salutar provocar o debate. Não estou declarando meu voto a nenhum candidato a governador. Estou apenas exercendo meu direito de cidadão, de questionar o período de garantia de um asfalto que é construído com o dinheiro do povo. Se estão pagando o asfalto com o nosso dinheiro angariado em impostos, então que o façam bem feito. Chega de maquiagem, chega de ilusões!

Antonio Costta. 


HINO OFICIAL DE PILAR

POEMAS EM DEFESA DO RIO PARAÍBA


Devemos valorizar nossos artistas enquanto estão vivos

Clique na imagem

MATRÍCULAS ABERTAS

MATRÍCULAS ABERTAS
NA SOFT WORLD INFORMÁTICA - EM ITABAIANA - FONE: (83) 9186-5519

MATRÍCULAS ABERTAS PARA OS NOVOS CURSOS DA SOFT (ASSISTA AO VÍDEO)

Galeria de Arte Antonio Costta